sessão-de-autógrafo-Quero-ser-beth-levitt-2

Quero ser Beth Levitt – Livro#4

Olá, pessoal! Como vão?

 

Voltei com mais uma indicação de livro para vocês!

 Quem aqui ama um conto de fadas? (Olha eu aqui com a mão levantada e quase pulando rs)

Pois bem, hoje vou indicar um livro que promete agradar e emocionar a todos que amam esse gênero.

 Mas antes tenho algo para dizer a você que não levantou a mão ( rs).

 Se você não gosta de conto de fadas, também pode ler essa história especial.

Ok, eu não sou maluca (kkk).

 É que Quero Ser Beth Levitt é uma história que vai além do conto de fadas. Aliás, nós fãs e admiradores dessa obra, só a “classificamos” como conto de fadas por todo o mundo de sonhos que ela nos apresenta.

 Mas longe de ser apenas só uma história doce de conto de fadas, essa história é algo que vai tocar o coração de todos os que a lerem.

 

Imagem Matéria 12Amelie Wood perdeu os pais aos doze anos e, desde então, vive em um abrigo de meninas. Com a chegada do seu décimo oitavo aniversário, ela vive agora o temido e esperado momento de deixar o lugar que a acolheu por toda a adolescência para enfrentar o mundo em busca dos seus sonhos.
Seu bem mais precioso é o velho exemplar do romance que sua mãe lia para ela, na infância. “Doce Acaso” contava a história de Beth Levitt, uma jovem que, como ela, amava o balé e tinha a vida transformada ao conhecer o príncipe Edward. Amie suspira ao reler incansavelmente aquelas páginas, imaginando quando o príncipe da vida real baterá em sua porta… Por isso, ao soprar as velas, não tem dúvida quanto ao seu pedido: “Quero ser Beth Levitt!”.
Através de grandes coincidências e uma trajetória que ela jamais imaginaria, Amie se vê, de repente, no fascinante mundo do cinema, cara a cara com o príncipe mais lindo que sonharia encontrar e lutando para se esquivar da maldade de muita gente invejosa, contando, para isso, com sua melhor arma: um coração puro.

  

Amie é a garota dos sonhos. E não digo só dos sonhos de todos os rapazes. Amie é a garota dos sonhos de toda humanidade. Sabe aquele tipo de pessoa que tem a alma doce, gentil, e um coração capaz de perdoar até mesmo uma atitude das mais desprezíveis?

Assim é Amie, e mesmo os problemas e intempéries da vida não são capazes de fazer com que ela se torne uma pessoa amarga, fria e rancorosa.

Ao contrário, Amie é capaz de realizar uma das coisas mais incríveis que um ser humano pode fazer, mas que hoje tanto se esquece. Amie tem o dom de perdoar.

 Eu poderia ficar aqui horas e horas falando tudo o que significa ler uma obra assim. Poderia apontar todos os detalhes lindos, mas nada seria o suficiente. Nada pode exprimir o quanto essa é uma obra que foi feita para tocar os corações, mesmo aqueles mais duros. Essa obra foi feita para emocionar, e mais ainda para nos ensinar que mesmo apesar dos pesares e de todo o mal que presenciamos todos os dias, ainda é possível encontrar SIM pessoas com o coração puro. E mesmo que nós pensemos por vários momentos de nossas vidas que essa pureza é difícil de voltar ao nosso coração, não ela não é.

 É difícil para mim falar dessa obra. Ela foi uma das que mais me tocou até hoje.

Naqueles dias meio nublados quando parece que a raiva quer tomar conta de um pedaço, mesmo que seja mínimo de mim, me pego pensando em Amie, e ela me faz pensar em várias outras pessoas/personagens que assim como ela, mesmo que não pareça, estão espalhados ai por esse mundo, e que acima de tudo, estão sempre dispostas a levar amor por onde vão.

 Eu posso ter os meus momentos “nublados”, como eu disse, mas pensar em histórias assim fazem-me querer afasta-los de mim. Fazem-me ter mais força para mandar eles para longe.

Quando eu penso em Amie, consigo ver que o mundo ainda tem uma chance, pois quando eu penso dela, consigo lembrar-me de tantas outras pessoas que assim como ela fazem do mundo um lugar mais lindo, muitas vezes apenas com um sorriso (ou com todo o poder que este tem).

Quando penso em Amie, penso em Samanta, penso em Clara, penso em Juliane, penso em Jamie… Penso em tantas outras pessoas, mas isso é história para outro dia rs.

 Espero mesmo que vocês se permitam conhecer essa obra. Seja você uma criança dos seus 12 anos, ou uma criança de seus 65 anos, o importante é manter sempre o sorriso no rosto, um olhar gentil e apesar de todos os pesares, manter sempre o amor no coração. Afinal amar é um dom divino e quando damos amor, o maior presente quem recebe somos nós.

 

Um grande beijo no coração de cada um de vocês.

Fer

Comments

comments

Equipe Salvos Pelo AmorQuero ser Beth Levitt – Livro#4

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *